terça-feira, 30 de dezembro de 2014

y#768

"I was felling doubts and so who am I,
I wake up and no supplies
And there's something inside my head
Alone I can't say goodbye..."

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

y#767

"How I wish, how I wish you were here
We're just two lost souls swimming in a fish bowl, year after year
Running over the same old ground
What have we found?"

y#766

Feliz Natal e um Próspero Ano Novo para todos!
Aqui fica o modesto, mas sentido, presente ;)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

G#24

I feel paralysed.
Despair and sorrow are all around.
Nothing makes sense anymore.
How is it possible to find something so utterly beautiful in the midst of such darkness?

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

y#765

"Apertado, o corpo quebra
Quando em muros, que lentos fecham
Dando passos que ecoam, do silêncio que dispara..."

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

F#920



"Could it be we're stars reflections,

tiny sparks in one great velvet sky,

perfect in our imperfections.

as satellites go by."




Porque o nosso brilho nao e mais que uma amplificacao da luz que  emites, dia apos dia

Qual  prisma humano que transforam em cor a tua luz intensa...Que um dia me mostrou que a escuridao nao dura para sempre.

Parabens meu anjo!




sábado, 15 de novembro de 2014

y#764

"Lullaby
Was not supposed to make you cry
I sang the words I meant
I sang..."

G#21

Por vezes coibo-me de aqui partilhar alguma música dada a natureza mais pesada de muito do meu gosto musical (eu sei que não há restrições, mas eventualmente acontece). Mas acredito que acabamos por ter sensações semelhantes, independentemente do estilo com que foram catalogadas as ondas sonoras da nossa preferência.

Este som em particular tem a capacidade de despertar sensações em mim que poucas coisas na vida conseguem. Ao longo dos 7 minutos vou preparando a mente para o que aí vem. A explosão perto do final ataca os meus sentidos de tal forma que sorrio, tremo, choro.

Afinal é disto que se trata. Explosions in our mind. :)




Talvez um dia leia Don Quixote e compreenda melhor esta torrente de sensações. :)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

domingo, 9 de novembro de 2014

y#763

TRIAL AND ERROR

Trial and error is a fundamental method of solving problems. It is characterised by repeated, varied attempts which are continued until success, or until the agent stops trying. It is an unsystematic method which does not employ insight, theory or organised methodology.

y#762

"And they say, it can't be won
When it's your eyes
Touching my eyes
To the past we know

They say it can't be done,
And they say it's all just fun
It's your eyes
Touching my eyes

This isn't you that I came here for,
This isn't you that I waited for..."

y#761

THANK YOU SATAN

F#917

Caríssimo,

dizem que bons amigos são aqueles que têm a mesma distinta definição de tempo.
São aqueles que se saúdam com um "Tão pá? Tá tudo" passado algum tempo, como se o tempo afinal estivesse parado.
Mas,
e quem diz que não estiveram?

Bons amigos são aqueles que têm a habilidade de saltar a "fenda temporal" rumo aquele pedaço de tempo...ao qual voltam sempre que podem.

E como sabe bem passar "saltar" para lá de vez em quando discutir tudo e mais alguma coisa, enquanto pomos em dia a banda sonora das nossas vidas...
Olhar para trás e vermos o que fomos. Quando ainda não era necessário andarmos aos saltos.

Dizer "Até logo" e saltar de novo.

Viver,
até ao proximo salto...



Parabéns!




quinta-feira, 6 de novembro de 2014

y#760

"Everyone walks the same
Expecting me to step
The narrow path they've laid
They claim to
Walk unafraid
I'll be clumsy instead
Hold my love or leave me high..."

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

y#757

"When tomorrow starts without me, and I'm not there to see
If the sun should rise and find your eyes all filled with tears for me
I wish so much you wouldn't cry the way you did today
While thinking of the many things we didn't get say
I know how much you love me as much as I love you
And each time that you think of me, I know you will miss me too
But when tomorrow starts without me
Please try to understand that an angel came and called my name
and took me by the hand and said my place was ready,
in heaven far above, and I that I would have to leave those I dearly love
But as I walked away, a tear fell from my eye
For all my life I always thought I didn't want to die
I had so much to live for, so much left to do
It seemed almost impossible that I was leaving you
I thought of all the yesterdays, the good ones and the bad
I thought of all the love we shared, and all the fun we had
If I could relive yesterday, just even for a while
I would say goodbye and kiss you and maybe see you smile
But then I fully realized that this could never be
For emptiness and memories would take the place of me
And I thought of worldly things I might miss come tomorrow
I thought of you and when I did, my heart was full of sorrow
But when I walked through Heaven's gates, I felt so much at home
When God looked down and smiled at me, from his great golden throne
He said, this is eternity, and all I have promised you
Today your life on earth is past but hear life starts anew
I promise no tomorrow, but today will always last
And since each day is the same, there is no longing for the past
You have been so faithful, so trusting and so true
Though there were times you did some things you knew you shouldn't do
But you have been forgiven and now at last you are free
So won't you take my hand and share my life with me?"

y#756

NADIR

"This was originally strictly an astronomical term and is the opposite of the word zenith, which is the part of the sky located directly above a person’s head or, “high point.” In fact, nadir is derived from the Arabic nazir, which means “opposite to.” It is still used in astronomy to indicate the part of the celestial sphere located directly below an observer, but also more generally to describe the worst point of someone’s life or career."

sábado, 25 de outubro de 2014

y#755

"Time is never time at all
You can never ever leave without leaving a piece of youth
And our lives are forever changed
We will never be the same..."

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

F#911


 


The devil's walk- A ballad


I.

Once, early in the morning, Beelzebub arose,

With care his sweet person adorning,

He put on his Sunday clothes.


II.

He drew on a boot to hide his hoof,

He drew on a glove to hide his claw,

His horns were concealed by a Bras Chapeau,

And the Devil went forth as natty a Beau

As Bond-street ever saw.


III.

He sate him down, in London town,

Before earth's morning ray;

With a favourite imp he began to chat,

On religion, and scandal, this and that,

Until the dawn of day.


IV.

And then to St. James's Court he went,

And St. Paul’s Church he took on his way;

He was mighty thick with every Saint,

Though they were formal and he was gay.


V.

The Devil was an agriculturist,

And as bad weeds quickly grow,

In looking over his farm, I wist,

He wouldn't find cause for woe.


VI.

He peeped in each hole, to each chamber stole,

His promising live-stock to view;

Grinning applause, he just showed them his claws,

And they shrunk with affright from his ugly sight,

Whose work they delighted to do.


VII.

Satan poked his red nose into crannies so small

One would think that the innocents fair,

Poor lambkins! were just doing nothing at all

But settling some dress or arranging some ball,

But the Devil saw deeper there.


VIII.

A Priest, at whose elbow the Devil during prayer

Sate familiarly, side by side,

Declared that, if the Tempter were there,

His presence he would not abide.

Ah! ah! thought Old Nick, that's a very stale trick,

For without the Devil, O favourite of Evil,

In your carriage you would not ride.


IX.

Satan next saw a brainless King,

Whose house was as hot as his own;

Many Imps in attendance were there on the wing,

They flapped the pennon and twisted the sting,

Close by the very Throne.


X.

Ah! ah! thought Satan, the pasture is good,

My Cattle will here thrive better than others;

They dine on news of human blood,

They sup on the groans of the dying and dead,

And supperless never will go to bed;

Which will make them fat as their brothers.


XI.

Fat as the Fiends that feed on blood,

Fresh and warm from the fields of Spain,

Where Ruin ploughs her gory way,

Where the shoots of earth are nipped in the bud,

Where Hell is the Victor's prey,

Its glory the meed of the slain.


XII.

Fat--as the Death-birds on Erin's shore,

That glutted themselves in her dearest gore,

And flitted round Castlereagh,

When they snatched the Patriot's heart, that HIS grasp

Had torn from its widow's maniac clasp,

--And fled at the dawn of day.


XIII.

Fat--as the Reptiles of the tomb,

That riot in corruption's spoil,

That fret their little hour in gloom,

And creep, and live the while.


XIV.

Fat as that Prince's maudlin brain,

Which, addled by some gilded toy,

Tired, gives his sweetmeat, and again

Cries for it, like a humoured boy.


XV.

For he is fat,--his waistcoat gay,

When strained upon a levee day,

Scarce meets across his princely paunch;

And pantaloons are like half-moons

Upon each brawny haunch.


XVI.

How vast his stock of calf! when plenty

Had filled his empty head and heart,

Enough to satiate foplings twenty,

Could make his pantaloon seams start.


XVII.

The Devil (who sometimes is called Nature),

For men of power provides thus well,

Whilst every change and every feature,

Their great original can tell.


XVIII.

Satan saw a lawyer a viper slay,

That crawled up the leg of his table,

It reminded him most marvellously

Of the story of Cain and Abel.


IXX.

The wealthy yeoman, as he wanders

His fertile fields among,

And on his thriving cattle ponders,

Counts his sure gains, and hums a song;

Thus did the Devil, through earth walking,

Hum low a hellish song.


XX.

For they thrive well whose garb of gore

Is Satan’s choicest livery,

And they thrive well who from the poor

Have snatched the bread of penury,

And heap the houseless wanderer’s store

On the rank pile of luxury.


XXI.

The Bishops thrive, though they are big;

The Lawyers thrive, though they are thin;

For every gown, and every wig,

Hides the safe thrift of Hell within.


XXII.

Thus pigs were never counted clean,

Although they dine on finest corn;

And cormorants are sin-like lean,

Although they eat from night to morn.


XXIII.

Oh! why is the Father of Hell in such glee,

As he grins from ear to ear?

Why does he doff his clothes joyfully,

As he skips, and prances, and flaps his wing,

As he sidles, leers, and twirls his sting,

And dares, as he is, to appear?


XXIV.

A statesman passed--alone to him,

The Devil dare his whole shape uncover,

To show each feature, every limb,

Secure of an unchanging lover.


XXV.

At this known sign, a welcome sight,

The watchful demons sought their King,

And every Fiend of the Stygian night,

Was in an instant on the wing.


XXVI.

Pale Loyalty, his guilt-steeled brow,

With wreaths of gory laurel crowned:

The hell-hounds, Murder, Want and Woe,

Forever hungering, flocked around;

From Spain had Satan sought their food,

'Twas human woe and human blood!


XXVII.

Hark! the earthquake's crash I hear,--

Kings turn pale, and Conquerors start,

Ruffians tremble in their fear,

For their Satan doth depart.


XXVIII.

This day Fiends give to revelry

To celebrate their King's return,

And with delight its Sire to see

Hell's adamantine limits burn.


XXIX.

But were the Devil's sight as keen

As Reason's penetrating eye,

His sulphurous Majesty I ween,

Would find but little cause for joy.


XXX.

For the sons of Reason see

That, ere fate consume the Pole,

The false Tyrant's cheek shall be

Bloodless as his coward soul.


Percy Bysshe Shelley

sábado, 11 de outubro de 2014

y#754

"Suddenly, a voice told me keep on singing little boy
And raise your arms in the big black sky
Raise your arms the highest you can, so the whole universe will glow..."

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

y#753

"You're drawing ladders on your skin
To take you up and bring you down again
And it's alright..."

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

F#909

"O caminho"

Não olhes para atrás!

Ou olha.
Mas de longe...e sem filtros.

E sem mágoa.

Porque ao olhares para o lado,
pensa
que o nosso caminho,
lá trás,
foi o mesmo.

E
sem ti,
jamais seria igual!


O teu,
ainda é longo.

Sabes de onde vens... e agora?
Para onde vais?

Fura

P.S.-Parabéns!






segunda-feira, 22 de setembro de 2014

y#752

"Something is coming now..."

y#751

"Man, you're already home and you don't even know it
You have a room you can return to, and you'll never outgrow it
See, you're already home when you don't know where to find it

It's not our house that we remember,
it’s a feeling outside it when everyone's gone but we leave all the lights on anyway..."

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

G#20

"Hoje o tempo vai como ninguém quer
O tempo passa mas sem tocar
surdo a um passo
leve e plácido
Olha uma esquina de ventre aberto
Muge uma trança de enleio secreto
nasce o pó
Do vento fosco a mergulhar no rio livre"


segunda-feira, 15 de setembro de 2014

F#905

A criança que fui chora na estrada






"A criança que fui chora na estrada. 
Deixei-a ali quando vim ser quem sou; 
Mas hoje, vendo que o que sou é nada, 
Quero ir buscar quem fui onde ficou.


Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
A vinda tem a regressão errada. 
Já não sei de onde vim nem onde estou. 
De o não saber, minha alma está parada. 



Se ao menos atingir neste lugar 
Um alto monte, de onde possa enfim 
O que esqueci, olhando-o, relembrar,


Na ausência, ao menos, saberei de mim, 
E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar 
Em mim um pouco de quando era assim."

Fernando Pessoa

sábado, 13 de setembro de 2014

F#904

"When you dream alone, with your eyes shut, asleep, that dream is an illusion. But when we dream together, sharing the same dream, awake and with our eyes wide open, then that dream becomes reality."


O real d'hoje
 foi
outrora
sonhado convosco.




terça-feira, 26 de agosto de 2014

F#901

Cientista


Sim sou,
mais que tudo!

Faz-me feliz!

E,
confesso,
enche-me de orgulho,
acho...

São estas
agora,
as insónias.

Mas são d'ontem,
as sementes
do sonhos,
que hoje não deixam,
que se fechem estes olhos.


Que,
mesmo sem ver
sentem.


Sim, sentir!
Sem ti...Não!
Sensores.












quinta-feira, 21 de agosto de 2014

F#899

"Dealing with the realtive size of things in the universe



and the effect of adding another zero."






Every Second Is A Second Chance from The Last Dinosaur on Vimeo.

F#898

Terias gostado de mim se
nos tivessemos conhecido ha muito tempo?

Acho que sim. E acho que hoje em dia nadarias comigo.

Trocavamos esse medo pelo puro prazer de deslizar nas ondinhas...

Mas agora gostas...
Nao estamos ainda a tempo de te tirar o medo?




F#897



"So don't ask me where I been
cause you don't wanna know"







y#749

"And he's a man with a lust for life
He lives for now on the edge of a knife
And you know he doesn't like to be cut
And you know he will never keep his eyes shut..."

y#748

Take my breath away!

y#747

"I may not know what I'm looking for
But at least I know what I want to throw away..."

y#746

"Well the comedown here was easy
Like the arrival of a new day
But a dream like this gets wasted without you
Under the pressure is where we are
Under the pressure, yea it's where we are babe..."

domingo, 17 de agosto de 2014

y#745

"... Rather than be stifled by their experience TWDY were atomized and subsequently made anew, emerging with a revived energy and reinforced sense of solidarity..." - Suicide Squeeze Records

F#894

Vivam os noivos!!!



F#893

"I will let this monument,
Represent a moment of my life."






Röyksopp & Robyn - Monument from It's Forever Kids on Vimeo.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

y#744

"Dance all night cause people, they don't wanna be lonely
Never wanna be lonely
They don't wanna be an only - one..."

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

F#891

Linha de costa


Ha uma que  me define, mas qualquer uma, bem tratada, me faz feliz!



quarta-feira, 30 de julho de 2014

y#742

"So here we are under London's glass and granite arms as they reach for the half moon, me a blur of boldness and booze and the rusty-haired polka-dot breeze of you stands stuck to the street in cool shoes. What could possibly go wrong? What could possibly go right? We could list all the good things and list all the bad things, but if we're all just vibration what difference does it make? My heart could be a stone, it's a sponge, it's a balloon, it's a lonely rock with a fiery tail, falling in your atmosphere, burning up and breaking down. So let our atoms melt together, let our nuclei converge. I want you now, and your conscience can be clear. My yesterday is dead, the present's an illusion, and tomorrow's just a nightmare away. This is our story, our movie. This is our rom-com, and it ends like this.

Without looking up, the girl cautiously takes the boy's hand. She steers herself then meets his gaze. The boy smiles. The girl surrenders. They kiss.

We pull away to reveal more lovers. In a long winter coat, a woman straddles a man on a wooden bench. Behind a coin-operated lavatory, two boys passionately embrace. Vague silhouttes sigh behind the steamed windows of a parked car. Two figures fumble in a phone box. There's a couple in every doorway and around every corner.

Snow begins to fall. We drift up into the sky and look down on the boy and the girl as they become tiny specks in a London street. We pull away further and further until London's gone, England's gone, Europe's gone. Now we're in space, watching the Earth as the sun rises behind it. Satellites orbit by. A billion stars surround us. We flow over the moon. Then we cut to black, and the credits roll.

I want you now, and now is all we can know.

Imagine we wake up tomorrow and nothing's happened. Think of what we'll never know. One night of love in a month full of doubt. Take my hand. Take my tongue. Let's run. Tonight can be a detour, a respite. I'm your busman's holiday, your much deserved night off. I'm your sensual sejourn. My heart could be a stone, my heart could be a sponge. This is the end. Ten years in the making, a decade of design. This kiss is Hello. This kiss is Goodbye."

quinta-feira, 24 de julho de 2014

y#741

"Don't you think we're something like God?
Angry, tempestuous, human?
We suffer from wide-eyed loneliness
In the sky

I have walked in Heaven
So must talk in Hell
The cruelty of godliness within us
Is his loneliness

Take me wherever you will go, far
To your mind, to your mine, to your street and to your sons
Where the people, and the eyes, and the cars are on fire
And your God cries love

I'm going out into madness to wander
I'm going to build a cell up in the clouds
And when the world it swims inside of me
Then I'm going to drown

My girl screams in the company of her bedsheets
While I talk with angel in the bar
I'll meet you in the shadow of Heaven
Tomorrow, or in some other life"

y#740

"This will be ours
’Cause we’re the the concept
And we’re the flawed
And we’re the answer
And we’re the stars
It won’t be long now
It will be ours..."

domingo, 20 de julho de 2014

sábado, 19 de julho de 2014

sexta-feira, 18 de julho de 2014

y#739

"Where do you go
When the life slips from your eyes?
I'll never know
Why you smiled and waved goodbye,
Goodbye..."

quinta-feira, 17 de julho de 2014

F#887



What if...





- Onde estavamos se não nos tivessemos conhecido?-pergunta-lhe ela, mais uma vez,

- Não sei. - responde-lhe ele, mais uma vez. 

E sorri, pensando que nesse dia. Nao foi so Ela que lhe apareceu.

Com Ela veio tambem Ele, mais tarde,  à medida que ele a ia conhecendo. 
Que nem ele proprio sabia que havia, debaixo D'ele, que ela  não conhece, e felizmente raramente volta...


- Mas duvido que fosse hoje quem sou - mas isso nunca lhe disse...










domingo, 6 de julho de 2014

F#885

Sabes que gosto de perfeição. Mas sabes também que acho que tudo o que faço pode estar bem melhor...

Também sabes que fui mudando. O mundo já não gira a minha volta. Ando por cá, a fazer o melhor que posso e sei. No entanto, não sei muito bem o que realmente o que ando aqui a fazer. E se calhar é isso que me leva a pensar que posso fazer bem melhor...Enfim.

A imperfeição começa no album da musica que te mando.  Chama-se pacífico (sim o oceano, repondendo a pergunta que sei que ias fazer), quando se devia chamar Atlantico. Esse oceano que, felizmente, foi o nosso melhor recreio.
Mas não se pode ter tudo. É o pacifico e se calhar até faz mais se sentido. Também eu estou mais pacifico...acho.


Acho porque já nada sei.  A idade trouxe-me mais dúvidas que certezas. E as que ainda tenho, lentamente vão-se desvanecendo,para se transformarem em (ainda) mais dúvidas.

A imperfeição que sou, afinal vai-se aperfeiçoando :).


Ouve enquanto lês, em repeat, ate acabares o texto. Por favor. Já sabes que  comigo raramente as coisas são lineares, mas mesmo assim gostas de mim não é? Esta é so mais uma. Afinal a beleza reside na diferença...

O texto que te mando não é perfeito. Até porque a senhora que o escreveu não nos conhece. Mas levou-me a lugares que julguei já não existirem...E só la cheguei a ouvir e a ler, em simultâneo.

Não espero que isto (não consigo encontrar uma expressão melhor) te leve aos mesmos recantos da nossa infância, que redescobri.

Mas que ao menos te leve aqueles que tu gostas mais.


Beijo enorme!

O teu mano!

Os meus irmãos

terça-feira, 1 de julho de 2014

F#884



"Mama there's wolves in the house

Mama they won't let me out

Mama they're mating at night

Mama they wont make nice




"They're pacing and glowing bright

Their faces all snowy and white

Bury their paws in the stone

Make for my heart as their home




They tumble and fight

And they're beautiful

On the hilltops at night

They are beautiful




Blazing with light

Is the whitest and the tallest and the biggest one

She's muscled and fine

When she runs




They're tearing up holes in the house

They're tearing their claws in the ground

They're staring with blood in their mouths

Mama they won't let me out




They tumble and fight

And they're beautiful

On the hilltops at night

They are beautiful




Blazing with light

Is the whitest and the tallest and the biggest one

All muscled and fine

When she runs




Mama there's wolves in the house

Mama i tried to put them out

And mama i know you're too wise

To wait till those wolves make nice"








F#883

Eyes wide shut #3



F#882

Eyes wide shut #2


F#881

Eyes wide shut #1


segunda-feira, 30 de junho de 2014

quarta-feira, 25 de junho de 2014

F#878

"E-Bow The Letter"

Look up, what do you see?
all of you and all of me
florescent and starry
some of them, they surprise

the bus ride, I went to write this, 4:00 a.m.
this letter
fields of poppies, little pearls
all the boys and all the girls sweet-toothed
each and every one a little scary
I said your name

I wore it like a badge of teenage film stars
hash bars, cherry mash and tinfoil tiaras
dreaming of Maria Callas
whoever she is
this fame thing, I don't get it
I wrap my hand in plastic to try to look through it
Maybelline eyes and girl-as-boy moves
I can take you far
this star thing, I don't get it

I'll take you over, there
I'll take you over, there
aluminum, tastes like fear
adrenaline, it pulls us near
I'll take you over
it tastes like fear, there
I'll take you over

will you live to 83?
will you ever welcome me?
will you show me something that nobody else has seen?
smoke it, drink
here comes the flood
anything to thin the blood
these corrosives do their magic slowly and sweet
phone, eat it, drink
just another chink
cuts and dents, they catch the light
aluminum, the weakest link

I don't want to disappoint you
I'm not here to anoint you
I would lick your feet
but is that the sickest move?
I wear my own crown and sadness and sorrow
and who'd have thought tomorrow could be so strange?
my loss, and here we go again

I'll take you over, there
I'll take you over, there
aluminum, tastes like fear
adrenaline, it pulls us near
I'll take you over
it tastes like fear, there
I'll take you over

look up, what do you see?
all of you and all of me
florescent and starry
some of them, they surprise

I can't look it in the eyes
seconal, Spanish fly, absinthe, kerosene
cherry-flavored neck and collar
I can smell the sorrow on your breath
the sweat, the victory and sorrow
the smell of fear, I got it

I'll take you over, there
I'll take you over, there
aluminum, tastes like fear
adrenaline, it pulls us near
I'll take you over
it tastes like fear, there
I'll take you over

pulls us near
tastes like fear...

nearer, nearer
over, over, over, over
yeah, look over
I'll take you there, oh, yeah
I'll take you there
oh, over
I'll take you there
over, let me
I'll take you there...
there, there, baby, yeah












terça-feira, 24 de junho de 2014

F#877

And in the night, 

you hear me calling.

And in your dreams,

you hear me falling!




quinta-feira, 19 de junho de 2014

F#876

Listening to the brain is tricky.  Measuring it talking is completely subjective...


Is all we know about it, all we want to know, or all "he" wants us to know???



In the meanwhile....


take a walk with me!




quarta-feira, 18 de junho de 2014

sexta-feira, 13 de junho de 2014

y#734

"This is a song about somebody else
So don't worry yourself, worry yourself
Devil's right there, right there in the details
And you don't wanna hurt yourself, hurt yourself..."

sexta-feira, 6 de junho de 2014

y#733

"When I first heard Nils' new album 'Screws' I instantly fell in love with it - not only because of the music, but also because of it's backstory. Listening to 'Re' planted a story and a world in my head, so I decided to create a music video for it." ~ Balázs Simon

domingo, 11 de maio de 2014

F#871

Immunity (medical)



From Wikipedia, the free encyclopedia

In biology, immunity is the state of having sufficient biological defences to avoid infectiondisease, or other unwanted biological invasion. It is the capability of the body to resist harmful microbes from entering it. Immunity involves both specific and non-specific components. The non-specific components act either as barriers or as eliminators of wide range of pathogens irrespective of antigenic specificity. Other components of the immune system adapt themselves to each new disease encountered and are able to generate pathogen-specific immunity.



The concept of immunity has intrigued mankind for thousands of years. The prehistoric view of disease was that it was caused by supernatural forces, and that illness was a form of theurgic punishment for “bad deeds” or “evil thoughts” visited upon the soul by the gods or by one’s enemies.[1] Between the time of Hippocratesand the 19th century, when the foundations of the scientific methods were laid, diseases were attributed to an alteration or imbalance in one of the four humors (blood, phlegm, yellow bile or black bile).[2] Also popular during this time was the miasma theory, which held that diseases such as cholera or the Black Plague were caused by a miasma, a noxious form of "bad air".[1] If someone were exposed to the miasma, they could get the disease.


The modern word “immunity” derives from the Latin immunis, meaning exemption from military service, tax payments or other public services.[3] The first written descriptions of the concept of immunity may have been made by the Athenian Thucydides who, in 430 BC, described that when the plague hit Athens “the sick and the dying were tended by the pitying care of those who had recovered, because they knew the course of the disease and were themselves free from apprehensions. For no one was ever attacked a second time, or not with a fatal result.[3] The term “immunes”, is also found in the epic poem “Pharsalia” written around 60 B.C. by the poet Marcus Annaeus Lucanus to describe a North African tribe’s resistance to snake venom.[2]









quinta-feira, 8 de maio de 2014

G#18

High above me in the sky,
Clouds of memories drift by
And the rain keeps falling down,
Silver rain...


quarta-feira, 7 de maio de 2014

y#732

"In the hotel, I can't remember how the past felt
I rent a blank room to stop living in my past self"

terça-feira, 6 de maio de 2014

y#731

"All the music around me was silence in my head
All the silence around me was music in my head
Love was all the silence, all the music, around me and in my head"

F#870

"The birds fly a lot better than we do..."







segunda-feira, 28 de abril de 2014

y#730

"Struck by unemployment, crises and depression, we live and hide, numb, under our sheets, hoping and trying our best to sleep and forget. Mira, un Lobo! allows me to drift away while still being awake, facing adversities, oblivious of any consequences." ~ Luís F. de Sousa

sexta-feira, 25 de abril de 2014

quarta-feira, 23 de abril de 2014

y#728

"When your soul isn't right
And it's raw to the night
It's in your hands
When the traces of dark come
To fade in the light
You're in safe hands..."

terça-feira, 15 de abril de 2014

y#727

Bow wave

A bow wave is the wave that forms at the bow of a ship when it moves through the water. As the bow wave spreads out, it defines the outer limits of a ship's wake. A large bow wave slows the ship down, is a risk to smaller boats, and in a harbor can damage shore facilities and moored ships. Therefore, ship hulls are generally designed to produce as small a bow wave as possible.

y#726

"Leave your shoes at the door, along with your troubles..."

y#725

"Dry your smoke-stung eyes
So you can see the light
You're staring at the sky
Watching stars collide
Watching stars collide..."

sexta-feira, 11 de abril de 2014

F#862

br />


PASSAGEM DAS HORAS

Trago dentro do meu coração,
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.

A entrada de Singapura, manhã subindo, cor verde,
O coral das Maldivas em passagem cálida,
Macau à uma hora da noite... Acordo de repente...
Yat-lô--ô-ôôô-ô-ô-ô-ô-ô-ô...Ghi-...
E aquilo soa-me do fundo de uma outra realidade...
A estatura norte-africana quase de Zanzibar ao sol...
Dar-es-Salaam (a saída é difícil)...
Majunga, Nossi-Bé, verduras de Madagascar...
Tempestades em torno ao Guardafui...
E o Cabo da Boa Esperança nítido ao sol da madrugada...
E a Cidade do Cabo com a Montanha da Mesa ao fundo...

Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei...
Vi mais paisagens do que aquelas em que pus os olhos...
Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti,
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz.

A certos momentos do dia recordo tudo isto e apavoro-me,
Penso em que é que me ficará desta vida aos bocados, deste auge,
Desta entrada às curvas, deste automóvel à beira da estrada, deste aviso,
Desta turbulência tranqüila de sensações desencontradas,
Desta transfusão, desta insubsistência, desta convergência iriada,
Deste desassossego no fundo de todos os cálices,
Desta angústia no fundo de todos os prazeres,
Desta sociedade antecipada na asa de todas as chávenas,
Deste jogo de cartas fastiento entre o Cabo da Boa Esperança e as Canárias.

Não sei se a vida é pouco ou demais para mim.
Não sei se sinto de mais ou de menos, não sei
Se me falta escrúpulo espiritual, ponto-de-apoio na inteligência,
Consangüinidade com o mistério das coisas, choque
Aos contatos, sangue sob golpes, estremeção aos ruídos,
Ou se há outra significação para isto mais cômoda e feliz.

Seja o que for, era melhor não ter nascido,
Porque, de tão interessante que é a todos os momentos,
A vida chega a doer, a enjoar, a cortar, a roçar, a ranger,
A dar vontade de dar gritos, de dar pulos, de ficar no chão, de sair
Para fora de todas as casas, de todas as lógicas e de todas as sacadas,
E ir ser selvagem para a morte entre árvores e esquecimentos,
Entre tombos, e perigos e ausência de amanhãs,
E tudo isto devia ser qualquer outra coisa mais parecida com o que eu penso,
Com o que eu penso ou sinto, que eu nem sei qual é, ó vida.

Cruzo os braços sobre a mesa, ponho a cabeça sobre os braços,
É preciso querer chorar, mas não sei ir buscar as lágrimas...
Por mais que me esforce por ter uma grande pena de mim, não choro,
Tenho a alma rachada sob o indicador curvo que lhe toca...
Que há de ser de mim? Que há de ser de mim?

Correram o bobo a chicote do palácio, sem razão,
Fizeram o mendigo levantar-se do degrau onde caíra.
Bateram na criança abandonada e tiraram-lhe o pão das mãos.
Oh mágoa imensa do mundo, o que falta é agir...
Tão decadente, tão decadente, tão decadente...
Só estou bem quando ouço música, e nem então.
Jardins do século dezoito antes de 89,
Onde estais vós, que eu quero chorar de qualquer maneira?

Como um bálsamo que não consola senão pela idéia de que é um bálsamo,
A tarde de hoje e de todos os dias pouco a pouco, monótona, cai.

Acenderam as luzes, cai a noite, a vida substitui-se.
Seja de que maneira for, é preciso continuar a viver.
Arde-me a alma como se fosse uma mão, fisicamente.
Estou no caminho de todos e esbarram comigo.
Minha quinta na província,
Haver menos que um comboio, uma diligência e a decisão de partir entre mim e ti.
Assim fico, fico... Eu sou o que sempre quer partir,
E fica sempre, fica sempre, fica sempre,
Até à morte fica, mesmo que parta, fica, fica, fica...

Torna-me humano, ó noite, torna-me fraterno e solícito.
Só humanitariamente é que se pode viver.
Só amando os homens, as ações, a banalidade dos trabalhos,
Só assim - ai de mim! -, só assim se pode viver.
Só assim, o noite, e eu nunca poderei ser assim!

Vi todas as coisas, e maravilhei-me de tudo,
Mas tudo ou sobrou ou foi pouco - não sei qual - e eu sofri.
Vivi todas as emoções, todos os pensamentos, todos os gestos,
E fiquei tão triste como se tivesse querido vivê-los e não conseguisse.
Amei e odiei como toda gente,
Mas para toda a gente isso foi normal e instintivo,
E para mim foi sempre a exceção, o choque, a válvula, o espasmo.

Vem, ó noite, e apaga-me, vem e afoga-me em ti.
Ó carinhosa do Além, senhora do luto infinito,
Mágoa externa na Terra, choro silencioso do Mundo.
Mãe suave e antiga das emoções sem gesto,
Irmã mais velha, virgem e triste, das idéias sem nexo,
Noiva esperando sempre os nossos propósitos incompletos,
A direção constantemente abandonada do nosso destino,
A nossa incerteza pagã sem alegria,
A nossa fraqueza cristã sem fé,
O nosso budismo inerte, sem amor pelas coisas nem êxtases,
A nossa febre, a nossa palidez, a nossa impaciência de fracos,
A nossa vida, o mãe, a nossa perdida vida...

Não sei sentir, não sei ser humano, conviver
De dentro da alma triste com os homens meus irmãos na terra.
Não sei ser útil mesmo sentindo, ser prático, ser quotidiano, nítido,
Ter um lugar na vida, ter um destino entre os homens,
Ter uma obra, uma força, uma vontade, uma horta,
Unia razão para descansar, uma necessidade de me distrair,
Uma cousa vinda diretamente da natureza para mim.

Por isso sê para mim materna, ó noite tranqüila...
Tu, que tiras o mundo ao mundo, tu que és a paz,
Tu que não existes, que és só a ausência da luz,
Tu que não és uma coisa, rim lugar, uma essência, uma vida,
Penélope da teia, amanhã desfeita, da tua escuridão,
Circe irreal dos febris, dos angustiados sem causa,
Vem para mim, ó noite, estende para mim as mãos,
E sê frescor e alívio, o noite, sobre a minha fronte...
'Tu, cuja vinda é tão suave que parece um afastamento,
Cujo fluxo e refluxo de treva, quando a lua bafeja,
Tem ondas de carinho morto, frio de mares de sonho,
Brisas de paisagens supostas para a nossa angústia excessiva...
Tu, palidamente, tu, flébil, tu, liquidamente,
Aroma de morte entre flores, hálito de febre sobre margens,
Tu, rainha, tu, castelã, tu, dona pálida, vem...

Sentir tudo de todas as maneiras,
Viver tudo de todos os lados,
Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo,
Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos
Num só momento difuso, profuso, completo e longínquo.

Eu quero ser sempre aquilo com quem simpatizo,
Eu torno-me sempre, mais tarde ou mais cedo,
Aquilo com quem simpatizo, seja uma pedra ou uma ânsia,
Seja uma flor ou uma idéia abstrata,
Seja uma multidão ou um modo de compreender Deus.
E eu simpatizo com tudo, vivo de tudo em tudo.
São-me simpáticos os homens superiores porque são superiores,
E são-me simpáticos os homens inferiores porque são superiores também,
Porque ser inferior é diferente de ser superior,
E por isso é uma superioridade a certos momentos de visão.
Simpatizo com alguns homens pelas suas qualidades de caráter,
E simpatizo com outros pela sua falta dessas qualidades,
E com outros ainda simpatizo por simpatizar com eles,
E há momentos absolutamente orgânicos em que esses são todos os homens.
Sim, como sou rei absoluto na minha simpatia,
Basta que ela exista para que tenha razão de ser.
Estreito ao meu peito arfante, num abraço comovido,
(No mesmo abraço comovido)
O homem que dá a camisa ao pobre que desconhece,
O soldado que morre pela pátria sem saber o que é pátria,
E o matricida, o fratricida, o incestuoso, o violador de crianças,
O ladrão de estradas, o salteador dos mares,
O gatuno de carteiras, a sombra que espera nas vielas —
Todos são a minha amante predileta pelo menos um momento na vida.

Beijo na boca todas as prostitutas,
Beijo sobre os olhos todos os souteneurs,
A minha passividade jaz aos pés de todos os assassinos
E a minha capa à espanhola esconde a retirada a todos os ladrões.
Tudo é a razão de ser da minha vida.

Cometi todos os crimes,
Vivi dentro de todos os crimes
(Eu próprio fui, não um nem o outro no vicio,
Mas o próprio vício-pessoa praticado entre eles,
E dessas são as horas mais arco-de-triunfo da minha vida).

Multipliquei-me, para me sentir,
Para me sentir, precisei sentir tudo,
Transbordei, não fiz senão extravasar-me,
Despi-me, entreguei-rne,
E há em cada canto da minha alma um altar a um deus diferente.

Os braços de todos os atletas apertaram-me subitamente feminino,
E eu só de pensar nisso desmaiei entre músculos supostos.

Foram dados na minha boca os beijos de todos os encontros,
Acenaram no meu coração os lenços de todas as despedidas,
Todos os chamamentos obscenos de gesto e olhares
Batem-me em cheio em todo o corpo com sede nos centros sexuais.
Fui todos os ascetas, todos os postos-de-parte, todos os como que esquecidos,
E todos os pederastas - absolutamente todos (não faltou nenhum).
Rendez-vous a vermelho e negro no fundo-inferno da minha alma!

(Freddie, eu chamava-te Baby, porque tu eras louro, branco e eu amava-te,
Quantas imperatrizes por reinar e princesas destronadas tu foste para mim!)
Mary, com quem eu lia Burns em dias tristes como sentir-se viver,
Mary, mal tu sabes quantos casais honestos, quantas famílias felizes,
Viveram em ti os meus olhos e o meu braço cingido e a minha consciência incerta,
A sua vida pacata, as suas casas suburbanas com jardim,
Os seus half-holidays inesperados...
Mary, eu sou infeliz...
Freddie, eu sou infeliz...
Oh, vós todos, todos vós, casuais, demorados,
Quantas vezes tereis pensado em pensar em mim, sem que o fósseis,
Ah, quão pouco eu fui no que sois, quão pouco, quão pouco —
Sim, e o que tenho eu sido, o meu subjetivo universo,
Ó meu sol, meu luar, minhas estrelas, meu momento,
Ó parte externa de mim perdida em labirintos de Deus!

Passa tudo, todas as coisas num desfile por mim dentro,
E todas as cidades do mundo, rumorejam-se dentro de mim ...
Meu coração tribunal, meu coração mercado,
Meu coração sala da Bolsa, meu coração balcão de Banco,
Meu coração rendez-vous de toda a humanidade,
Meu coração banco de jardim público, hospedaria,
Estalagem, calabouço número qualquer cousa
(Aqui estuvo el Manolo en vísperas de ir al patíbulo)
Meu coração clube, sala, platéia, capacho, guichet, portaló,
Ponte, cancela, excursão, marcha, viagem, leilão, feira, arraial,
Meu coração postigo,
Meu coração encomenda,
Meu coração carta, bagagem, satisfação, entrega,
Meu coração a margem, o lirrite, a súmula, o índice,
Eh-lá, eh-lá, eh-lá, bazar o meu coração.

Todos os amantes beijaram-se na minh'alma,
Todos os vadios dormiram um momento em cima de mim,
Todos os desprezados encostaram-se um momento ao meu ombro,
Atravessaram a rua, ao meu braço, todos os velhos e os doentes,
E houve um segredo que me disseram todos os assassinos.

(Aquela cujo sorriso sugere a paz que eu não tenho,
Em cujo baixar-de-olhos há uma paisagem da Holanda,
Com as cabeças femininas coiffées de lin
E todo o esforço quotidiano de um povo pacífico e limpo...
Aquela que é o anel deixado em cima da cômoda,
E a fita entalada com o fechar da gaveta,
Fita cor-de-rosa, não gosto da cor mas da fita entalada,
Assim como não gosto da vida, mas gosto de senti-la ...

Dormir como um cão corrido no caminho, ao sol,
Definitivamente para todo o resto do Universo,
E que os carros me passem por cima.)

Fui para a cama com todos os sentimentos,
Fui souteneur de todas ás emoções,
Pagaram-me bebidas todos os acasos das sensações,
Troquei olhares com todos os motivos de agir,
Estive mão em mão com todos os impulsos para partir,
Febre imensa das horas!
Angústia da forja das emoções!
Raiva, espuma, a imensidão que não cabe no meu lenço,
A cadela a uivar de noite,
O tanque da quinta a passear à roda da minha insônia,
O bosque como foi à tarde, quando lá passeamos, a rosa,
A madeixa indiferente, o musgo, os pinheiros,
Toda a raiva de não conter isto tudo, de não deter isto tudo,
Ó fome abstrata das coisas, cio impotente dos momentos,
Orgia intelectual de sentir a vida!

Obter tudo por suficiência divina —
As vésperas, os consentimentos, os avisos,
As cousas belas da vida —
O talento, a virtude, a impunidade,
A tendência para acompanhar os outros a casa,
A situação de passageiro,
A conveniência em embarcar já para ter lugar,
E falta sempre uma coisa, um copo, uma brisa, urna frase,
E a vida dói quanto mais se goza e quanto mais se inventa.

Poder rir, rir, rir despejadamente,
Rir como um copo entornado,
Absolutamente doido só por sentir,
Absolutamente roto por me roçar contra as coisas,
Ferido na boca por morder coisas,
Com as unhas em sangue por me agarrar a coisas,
E depois dêem-me a cela que quiserem que eu me lembrarei da vida.

Sentir tudo de todas as maneiras,
Ter todas as opiniões,
Ser sincero contradizendo-se a cada minuto,
Desagradar a si próprio pela plena liberalidade de espírito,
E amar as coisas como Deus.

Eu, que sou mais irmão de uma árvore que de um operário,
Eu, que sinto mais a dor suposta do mar ao bater na praia
Que a dor real das crianças em quem batem
(Ah, como isto deve ser falso, pobres crianças em quem batem —
E por que é que as minhas sensações se revezam tão depressa?)
Eu, enfim, que sou um diálogo continuo,
Um falar-alto incompreensível, alta-noite na torre,
Quando os sinos oscilam vagamente sem que mão lhes toque
E faz pena saber que há vida que viver amanhã.
Eu, enfim, literalmente eu,
E eu metaforicamente também,
Eu, o poeta sensacionista, enviado do Acaso
As leis irrepreensíveis da Vida,
Eu, o fumador de cigarros por profissão adequada,
O indivíduo que fuma ópio, que toma absinto, mas que, enfim,
Prefere pensar em fumar ópio a fumá-lo
E acha mais seu olhar para o absinto a beber que bebê-lo...
Eu, este degenerado superior sem arquivos na alma,
Sem personalidade com valor declarado,
Eu, o investigador solene das coisas fúteis,
Que era capaz de ir viver na Sibéria só por embirrar com isso,
E que acho que não faz mal não ligar importâricia à pátria
Porqtie não tenho raiz, como uma árvore, e portanto não tenho raiz
Eu, que tantas vezes me sinto tão real como uma metáfora,

Como uma frase escrita por um doente no livro da rapariga que encontrou no terraço,
Ou uma partida de xadrez no convés dum transatlântico,
Eu, a ama que empurra os perambulators em todos os jardins públicos,
Eu, o policia que a olha, parado para trás na álea,
Eu, a criança no carro, que acena à sua inconsciência lúcida com um coral com guizos.
Eu, a paisagem por detrás disto tudo, a paz citadina
Coada através das árvores do jardim público,
Eu, o que os espera a todos em casa,
Eu, o que eles encontram na rua,
Eu, o que eles não sabem de si próprios,
Eu, aquela coisa em que estás pensando e te marca esse sorriso,
Eu, o contraditório, o fictício, o aranzel, a espuma,
O cartaz posto agora, as ancas da francesa, o olhar do padre,
O largo onde se encontram as suas ruas e os chauffeurs dormem contra os carros,
A cicatriz do sargento mal encarado,
O sebo na gola do explicador doente que volta para casa,
A chávena que era por onde o pequenito que morreu bebia sempre,
E tem uma falha na asa (e tudo isto cabe num coração de mãe e enche-o)...
Eu, o ditado de francês da pequenita que mexe nas ligas,
Eu, os pés que se tocam por baixo do bridge sob o lustre,
Eu, a carta escondida, o calor do lenço, a sacada com a janela entreaberta,
O portão de serviço onde a criada fala com os desejos do primo,
O sacana do José que prometeu vir e não veio
E a gente tinha uma partida para lhe fazer...
Eu, tudo isto, e além disto o resto do mundo...
Tanta coisa, as portas que se abrem, e a razão por que elas se abrem,
E as coisas que já fizeram as mãos que abrem as portas...
Eu, a infelicidade-nata de todas as expressões,
A impossibilidade de exprimir todos os sentimentos,
Sem que haja uma lápida no cemitério para o irmão de tudo isto,
E o que parece não querer dizer nada sempre quer dizer qualquer cousa...

Sim, eu, o engenheiro naval que sou supersticioso como uma camponesa madrinha,
E uso monóculo para não parecer igual à idéia real que faço de mim,
Que levo às vezes três horas a vestir-me e nem por isso acho isso natural,
Mas acho-o metafísico e se me batem à porta zango-me,
Não tanto por me interromperem a gravata como por ficar sabendo que há a vida...
Sim, enfim, eu o destinatário das cartas lacradas,
O baú das iniciais gastas,
A entonação das vozes que nunca ouviremos mais -
Deus guarda isso tudo no Mistério, e às vezes sentimo-lo
E a vida pesa de repente e faz muito frio mais perto que o corpo.
A Brígida prima da minha tia,
O general em que elas falavam - general quando elas eram pequenas,
E a vida era guerra civil a todas as esquinas...
Vive le mélodrame oú Margot a pleuré!
Caem as folhas secas no chão irregularmente,
Mas o fato é que sempre é outono no outono,
E o inverno vem depois fatalmente,
há só um caminho para a vida, que é a vida...

Esse velho insignificante, mas que ainda conheceu os românticos,
Esse opúsculo político do tempo das revoluções constitucionais,
E a dor que tudo isso deixa, sem que se saiba a razão
Nem haja para chorar tudo mais razão que senti-lo.

Viro todos os dias todas as esquinas de todas as ruas,
E sempre que estou pensando numa coisa, estou pensando noutra.
Não me subordino senão por atavisnio,
E há sempre razões para emigrar para quem não está de cama.

Das serrasses de todos os cafés de todas as cidades
Acessíveis à imaginação
Reparo para a vida que passa, sigo-a sem me mexer,
Pertenço-lhe sem tirar um gesto da algibeira,
Nem tomar nota do que vi para depois fingir que o vi.

No automóvel amarelo a mulher definitiva de alguém passa,
Vou ao lado dela sem ela saber.
No trottoir imediato eles encontram-se por um acaso combinado,
Mas antes de o encontro deles lá estar já eu estava com eles lá.
Não há maneira de se esquivarem a encontrar-me,
Não há modo de eu não estar em toda a parte.
O meu privilégio é tudo
(Brevetée, Sans Garantie de Dieu, a minh'Alma).

Assisto a tudo e definitivamente.
Não há jóia para mulher que não seja comprada por mim e para mim,
Não há intenção de estar esperando que não seja minha de qualquer maneira,
Não há resultado de conversa que não seja meu por acaso,
Não há toque de sino em Lisboa há trinta anos, noite de S. Carlos há cinqüenta
Que não seja para mim por uma galantaria deposta.

Fui educado pela Imaginação,
Viajei pela mão dela sempre,
Amei, odiei, falei, pensei sempre por isso,
E todos os dias têm essa janela por diante,
E todas as horas parecem minhas dessa maneira.

Cavalgada explosiva, explodida, como uma bomba que rebenta,
Cavalgada rebentando para todos os lados ao mesmo tempo,
Cavalgada por cima do espaço, salto por cima do tempo,
Galga, cavalo eléctron-íon, sistema solar resumido
Por dentro da ação dos êmbolos, por fora do giro dos volantes.
Dentro dos êmbolos, tornado velocidade abstrata e louca,
Ajo a ferro e velocidade, vaivém, loucura, raiva contida,
Atado ao rasto de todos os volantes giro assombrosas horas,
E todo o universo range, estraleja e estropia-se em mim.

Ho-ho-ho-ho-ho!...
Cada vez mais depressa, cada vez mais com o espírito adiante do corpo
Adiante da própria idéia veloz do corpo projetado,
Com o espírito atrás adiante do corpo, sombra, chispa,
He-la-ho-ho ... Helahoho ...

Toda a energia é a mesma e toda a natureza é o mesmo...
A seiva da seiva das árvores é a mesma energia que mexe
As rodas da locomotiva, as rodas do elétrico, os volantes dos Diesel,
E um carro puxado a mulas ou a gasolina é puxado pela mesma coisa.

Raiva panteísta de sentir em mim formidandamente,
Com todos os meus sentidos em ebulição, com todos os meus poros em fumo,
Que tudo é uma só velocidade, uma só energia, uma só divina linha
De si para si, parada a ciciar violências de velocidade louca...
Ho ----

Ave, salve, viva a unidade veloz de tudo!
Ave, salve, viva a igualdade de tudo em seta!
Ave, salve, viva a grande máquina universo!
Ave, que sois o mesmo, árvores, máquinas, leis!
Ave, que sois o mesmo, vermes, êmbolos, idéias abstratas,
A mesma seiva vos enche, a mesma seiva vos torna,
A mesma coisa sois, e o resto é por fora e falso,
O resto, o estático resto que fica nos olhos que param,
Mas não nos meus nervos motor de explosão a óleos pesados ou leves,
Não nos meus nervos todas as máquinas, todos os sistemas de engrenagem,
Nos meus nervos locomotiva, carro elétrico, automóvel, debulhadora a vapor

Nos meus nervos máquina marítima, Diesel, semi-Diesel,
Campbell, Nos meus nervos instalação absoluta a vapor, a gás, a óleo e a eletricidade,
Máquina universal movida por correias de todos os momentos!

Todas as madrugadas são a madrugada e a vida.
Todas as auroras raiam no mesmo lugar:
Infinito...
Todas as alegrias de ave vêm da mesma garganta,
Todos os estremecimentos de folhas são da mesma árvore,
E todos os que se levantam cedo para ir trabalhar
Vão da mesma casa para a mesma fábrica por o mesmo caminho...

Rola, bola grande, formigueiro de consciências, terra,
Rola, auroreada, entardecida, a prumo sob sóis, noturna,
Rola no espaço abstrato, na noite mal iluminada realmente
Rola ...

Sinto na minha cabeça a velocidade de giro da terra,
E todos os países e todas as pessoas giram dentro de mim,
Centrífuga ânsia, raiva de ir por os ares até aos astros
Bate pancadas de encontro ao interior do meu crânio,
Põe-me alfinetes vendados por toda a consciência do meu corpo,
Faz-me levantar-me mil vezes e dirigir-me para Abstrato,
Para inencontrável, Ali sem restrições nenhumas,
A Meta invisível — todos os pontos onde eu não estou — e ao mesmo tempo ...

Ah, não estar parado nem a andar,
Não estar deitado nem de pé,
Nem acordado nem a dormir,
Nem aqui nem noutro ponto qualquer,
Resol,,,er a equação desta inquietação prolixa,
Saber onde estar para poder estar em toda a parte,
Saber onde deitar-me para estar passeando por todas as ruas ...

Ho-ho-ho-ho-ho-ho-ho

Cavalgada alada de mim por cima de todas as coisas,
Cavalgada estalada de mim por baixo de todas as coisas,
Cavalgada alada e estalada de mim por causa de todas as coisas ...

Hup-la por cima das árvores, hup-la por baixo dos tanques,
Hup-la contra as paredes, hup-la raspando nos troncos,
Hup-la no ar, hup-la no vento, hup-la, hup-la nas praias,
Numa velocidade crescente, insistente, violenta,
Hup-la hup-la hup-la hup-la ...

Cavalgada panteísta de mim por dentro de todas as coisas,
Cavalgada energética por dentro de todas as energias,
Cavalgada de mim por dentro do carvão que se queima, da lâmpada que arde,
Clarim claro da manhã ao fundo
Do semicírculo frio do horizonte,
Tênue clarim longínquo como bandeiras incertas
Desfraldadas para além de onde as cores são visíveis ...

Clarim trêmulo, poeira parada, onde a noite cessa,
Poeira de ouro parada no fundo da visibilidade ...

Carro que chia limpidamente, vapor que apita,
Guindaste que começa a girar no meu ouvido,
Tosse seca, nova do que sai de casa,
Leve arrepio matutino na alegria de viver,
Gargalhada súbita velada pela bruma exterior não sei como,
Costureira fadada para pior que a manhã que sente,
Operário tísico desfeito para feliz nesta hora
Inevitavelmente vital,
Em que o relevo das coisas é suave, certo e simpático,
Em que os muros são frescos ao contacto da mão, e as casas
Abrem aqu; e ali os olhos cortinados a branco...

Toda a madrugada é uma colina que oscila,
...................................................................
... e caminha tudo

Para a hora cheia de luz em que as lojas baixam as pálpebras
E rumor tráfego carroça comboio eu sinto sol estruge

Vertigem do meio-dia emoldurada a vertigens —
Sol dos vértices e nos... da minha visão estriada,
Do rodopio parado da minha retentiva seca,
Do abrumado clarão fixo da minha consciência de viver.

Rumor tráfego carroça comboio carros eu sinto sol rua,
Aros caixotes trolley loja rua i,itrines saia olhos
Rapidamente calhas carroças caixotes rua atravessar rua
Passeio lojistas "perdão" rua
Rua a passear por mim a passear pela rua por mim
Tudo espelhos as lojas de cá dentro das lojas de lá
A velocidade dos carros ao contrário nos espelhos oblíquos das montras,
O chão no ar o sol por baixo dos pés rua regas flores no cesto rua
O meu passado rua estremece camion rua não me recordo rua

Eu de cabeça pra baixo no centro da minha consciência de mim
Rua sem poder encontrar uma sensação só de cada vez rua
Rua pra trás e pra diante debaixo dos meus pés
Rua em X em Y em Z por dentro dos meus braços
Rua pelo meu monóculo em círculos de cinematógrafo pequeno,
Caleidoscópio em curvas iriadas nítidas rua.
Bebedeira da rua e de sentir ver ouvir tudo ao mesmo tempo.
Bater das fontes de estar vindo para cá ao mesmo tempo que vou para lá.
Comboio parte-te de encontro ao resguardo da linha de desvio!
Vapor navega direito ao cais e racha-te contra ele!
Automóvel guiado pela loucura de todo o universo precipita-te
Por todos os precipícios abaixo
E choca-te, trz!, esfrangalha-te no fundo do meu coração!

À moi, todos os objetos projéteis!
À moi, todos os objetos direções!
À moi, todos os objetos invisíveis de velozes!
Batam-me, trespassem-me, ultrapassem-me!
Sou eu que me bato, que me trespasso, que me ultrapasso!
A raiva de todos os ímpetos fecha em círculo-mim!

Hela-hoho comboio, automóvel, aeroplano minhas ânsias,
Velocidade entra por todas as idéias dentro,
Choca de encontro a todos os sonhos e parte-os,
Chamusca todos os ideais humanitários e úteis,
Atropela todos os sentimentos normais, decentes, concordantes,
Colhe no giro do teu volante vertiginoso e pesado
Os corpos de todas as filosofias, os tropos de todos os poemas,
Esfrangalha-os e fica só tu, volante abstrato nos ares,
Senhor supremo da hora européia, metálico a cio.
Vamos, que a cavalgada não tenha fim nem em Deus!
...............................................................
...............................................................
...............................................................
...............................................................

Dói-me a imaginação não sei como, mas é ela que dói,
Declina dentro de mim o sol no alto do céu.
Começa a tender a entardecer no azul e nos meus nervos.
Vamos ó cavalgada, quem mais me consegues tornar?
Eu que, veloz, voraz, comilão da energia abstrata,
Queria comer, beber, esfolar e arranhar o mundo,
Eu, que só me contentaria com calcar o universo aos pés,
Calcar, calcar, calcar até não sentir.
Eu, sinto que ficou fora do que imaginei tudo o que quis,
Que embora eu quisesse tudo, tudo me faltou.

Cavalgada desmantelada por cima de todos os cimos,
Cavalgada desarticulada por baixo de todos os poços,
Cavalgada vôo, cavalgada seta, cavalgada pensamento-relâmpago,
Cavalgada eu, cavalgada eu, cavalgada o universo — eu.
Helahoho-o-o-o-o-o-o-o ...

Meu ser elástico, mola, agulha, trepidação ...




Álvaro de Campos, 22-5-1916